O meu pai

14 de agosto de 2011
Engraçado como as lembranças da minha infância trazem bem presente o meu pai e tantos momentos marcantes e inesquecíveis pra mim. Sempre lembro mais dos momentos que vivi com ele do que com minha mãe, não sei por que. Lembro quando ele me ensinou a amarrar o cadarço do meu tênis, explicando com toda calma que era importante amarrá-los para que eu não caísse. De quando me ensinou a ver as horas em relógios analógicos. E a encher o pneu da bicicleta com a bomba de ar.
Me recordo dele falando que o homem mais inteligente que  tinha ouvido falar era Rui barbosa quem muito admirava e também me explicando sobre a lei Áurea. Meu pai tem um jeito todo calmo, é justo, sempre que eu e minha irmã brigavámos ele escutava atentamente as duas e só depois tirava suas conclusões. Não gostava nenhum pouco de ver a gente brigando e vinha com a conversa repetitiva de que tínhamos que agradecer a Deus por termos uma a outra, que ter um irmão era a melhor coisa do mundo, ele como filho único sonhava em ter um irmão. E eu com minha inocência pensava, sorte dele, quem dera eu não tivesse irmã! Coisas de crianças!
Outra coisa que ele não admitia era que a gente estragasse comida, isso o irritava profundamente e era motivo de puxões de orelhas severos. Ele explicava pela milésima vez que a gente tinha que pensar nas criancinhas que não tinham o que comer. E ficava de olho, fiscalizando nosso prato. Essa lição eu aprendi direitinho! Só coloco no prato o que realmente vou comer.
Lembro das manhãs de domingo em que íamos ao mercado velho tomar mingau de milho, comprar jaca ( fruta que ele adora! E eu também), passear entre uma compra e outra. Das tardes no circo, ele e minha irmã adoravam circo, eu não, sempre preferi parque diversão. Também íamos muito e na barraca do tiro ao alvo ele perguntava o que a gente queria, e sempre acertava. Era uma farra voltar pra casa com bolas enormes e  balões. Gostava de levar a gente na lanchonete do Abraão, pra tomar abacatada, ou vitamina de abacate, como queiram. Uma delícia. E quando íamos a sorveteria era uma alegria, podíamos tomar o tanto que queríamos, era muito bom!
Tive uma fase em que mentia muito, a todo momento contava uma mentirinha, brincadeira natural de criança mas eu já estava exagerando. Minha mãe não aguentava mais. Até que meu pai veio me contar uma histórinha, de uma menina que mentia direto e um dia ela estava se afogando, pediu por socorro mas ninguém acreditou, acharam que era mais uma mentira e assim ela morreu. Eu, que devia ter uns 4 ou 5 anos fiquei assustada com essa história e depois disso diminuiu bastante minhas mentirinhas. 
Eu lembro também de quando íamos ao supermercado, tudo que eu via queria e ele me dava, enchia o carrinho de compras de biscoitos recheados e bombons, minha mãe tirava e ele botava, às vezes eu sentia que ela não gostava desse jeito dele de fazer nossas vontades. Meu pai era autoritário, houve um tempo que eu morria de medo dele, principalmente quando dizia que o nosso namorado era o cinto. Não queria ouvir conversa de namoro em casa, que nós tínhamos que estudar, ser independente pra não ter que aguentar humilhação de ninguém. Fiquei com tanto medo de namorar que só vim a dar meu primeiro beijo aos 19 anos. 
Os valores que me passou, todo o exemplo de honestidade, bondade, justiça, tudo isso ficou marcado na minha vida, na minha história. Aos homens que se fazem pai no sentido verdadeiro da palavra, desejo um lindo dia dos pais. Ao meu pai, um dia abênçoado, iluminado e cheio de saúde, como merece.


14 comentários:

Luciana disse...

Oi amiga!

Que linda declaração de amor pelo seu pai!!! Quanto mais o tempo passa, mais compreendemos cada pequeno ensinamento dos nossos pais, né?

Um feliz dia dos pais para vc!

Bjs,

Lu

lilian vieira disse...

tenho ótimas recordações do meu pai, que infelizmente não está mais aqui,a saudade é enorme!bjos

Maria Teresa disse...

Boa tarde Aryanne, lindo seu depoimento, seu pai deve ser muito orgulhoso da filha carinhosa que tem. Abraços carinhosos

Nutri Bobagens disse...

Engrçdo vc flr isso,ms tbmlembro mtomaisdomeu pai que minha mãe, lembro da primeira bicicleta que ele me deu,lembro de me ensinr a armarrar o cadarço tb rs

Feliz dia para seu pai.
bjoS2

Fadinha disse...

Que lindo texto. Seu pai vai adorar. Vou te contar un segredinho: odeio circos. Boa semana. Beijo grande.

casa de fifia disse...

oi bambola.
eu também sou como seu pai,
não tolero desperdício, nem de comida,e nem de nada, principalmente de água!!!!
bom inicio de semana
bacione

Pepa disse...

Que linda declaração !!

Quantas lembranças deliciosas !!

Adorei !!!

Bjus 1000

Valeria Marchello disse...

Olá Anne...
que linda sua declaração de amor!!
Nossos pais são tudo na nossa vida, né mesmo??
bjksss linda e uma semana de muitas realizações pra vc!!!

Sil disse...

Oi, Aryanne!
Que linda sua declaração! Fiquei emocionada!
Vim desejar uma boa semana!
Um beijão,
Silvia
http://athenaartes.blogspot.com/

Casinha Encantada disse...

Que lindo post, uma declaração emocionante.
Não querer ter irmão é bem coisa de crinaça mesmo não é, também fui assim e hj agradeço a Deus pela minha irmã.
Tenha uma linda semana.
Bjs

Rô Faleiro disse...

Oi amiga
linda sua declaração! que bom que nossos pais nos deram bons exemplos né!
obrigada pelo carinho cmgo, graças a Deus papai ja está bem!
Boa semana
beijos

Luciana disse...

Oi Aryanne!!!

A lixeirinha já fez seu primeiro passeio de carro!

Bjsss

Lu

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...